----------------------------------------------------------

 
Uma avaliação psicodiagnóstica adequada para indivíduos com suspeita de terem condições como autismo ou TDAH, deve ser abrangente, detalhada e multidimensional. Essa avaliação é crucial para um diagnóstico preciso e para o desenvolvimento de um plano de intervenção eficaz.

 

 

 

Os procedimentos  essenciais que devem estar presentes numa avaliação psicodiagnóstica, contemplam:
 
 
   1.  Entrevista semiestruturada e detalhada:
 
A coleta de informações sobre o histórico de vida do indivíduo, incluindo desenvolvimento infantil, dinâmica familiar, saúde física e mental, educação, emprego e relações sociais. É importante obter informações de várias fontes, como familiares, cuidadores e registros médicos anteriores. 
 
 

 

   2. Observação comportamental. De forma direta e indireta:
 
Na observação direta, o avaliador observa diretamente o comportamento ou fenômeno de interesse, por exemplo, identificar padrões de estereotipias ( que se apresentam de diversas formas),  comunicação receptiva e expressiva, modulação socioemocional nas variações de discurso e possíveis desordens sensoriais.

Na observação indireta, o avaliador observa as consequências do comportamento e seus efeitos em outras pessoas ou eventos, por exemplo, o comportamento do indivíduo em ambiente doméstico, acadêmico e no trabalho. 
 
 
 
  3. Avaliações Psicológicas, Neuropsicológicas ou fonoaudiológicas  anteriores podem auxiliar e complementar nossa Avaliação para TEA e TDAH. 

 

 

  4. Aplicações de testes psicometricos, validados, adaptados e que sejam direcionados para a descrição da demanda do paciente. 
 
  
 
  5. Feedback e Relatório Detalhado:
 
Após a avaliação, é importante fornecer um feedback claro e detalhado ao indivíduo e/ou a seus cuidadores, juntamente com um relatório escrito. Este relatório deve incluir os resultados dos testes, um diagnóstico (se aplicável) e recomendações para tratamentos ou intervenções.
 
  
 
  6. Recomendações para Intervenções: 
 
Sugestões de intervenções específicas, com profissionais médicos,  terapia comportamental, suporte educacional, terapia de fala e linguagem.
   
    
    
  7. Plano de Acompanhamento:
 
Estabelecer um plano para acompanhar o progresso do indivíduo e ajustar as intervenções conforme necessário. Esses componentes asseguram uma avaliação abrangente, respeitando a individualidade do paciente e fornecendo uma base sólida para intervenções eficazes.